Escolha sua rádio favorita
Rádio on-line!
PODE PEDIR
SOUZA
A vida de um meme: como está hoje a Vó Salvelina e a família do “taca-le pau”
Geral | 14/11/2017 10:04 | Por: CÁSSIO FILTER - Portal GAZ –Gazeta On Line | Fotos:

Imagine que a partir de hoje, todos os dias, centenas e centenas de pessoas desconhecidas comecem a bater na porta de sua casa. De manhã, à tarde e à noite. Às vezes, de madrugada. Assim que chegarem, vão chamar por seu nome e pedirão para tirar uma foto sua. Você será obrigado a aceitar, para não ser tachado de mal-educado. Se a foto não ficar boa, terá que repetir duas ou três vezes. Sempre sorrindo.

Em seguida, algumas dessas pessoas dirão que vieram de longe e pedirão para usar o banheiro. Para evitar constrangimentos, você consentirá. Os visitantes também pedirão para usar um dos brinquedos de seu filho ou neto – justo aquele com maior valor sentimental. Você, com toda cordialidade, cederá, alertando que é apenas para crianças. Mas alguns desses adultos desconhecidos vão insistir em experimentar.  E você vai ceder novamente. Ao fim da diversão, deixarão o brinquedo atirado no pátio, estragado, e irão embora. Caberá a você consertar o brinquedo, guardá-lo e esperar a chegada do próximo estranho. 

Foram assim todos os cerca de 720 dias em que dona Salvelina Lorenzetti e os netos Marcos Martinelli e Leandro Beninca estiveram no epicentro do maior episódio de viralização da internet brasileira desde o surgimento das redes sociais. Os jargões “Taca-le pau”, “Lá vem o Marcos, descendo o morro da vó Salvelina” e “Maaaaazzzzááááá, Marco Veio” povoaram centenas de milhões de visualizações e montagens. Por mais que se tente, é impossível uma contagem exata do número de visualizações e da dimensão que a gravação de 25 segundos feita em 2014 alcançou. 

A primeira consequência do fenômeno foi tornar público o pacato sítio da família, entre as minúsculas Taió e Rio do Campo, no Vale do Itajaí, em Santa Catarina. Tão público que o local está até no Google Maps, com a alcunha de Morro da Vó Salvelina. “Foi de uma hora para outra. Até hoje a gente não entende direito como tudo aconteceu. Aos sábados e domingos, chegava a ter fila de carros. As pessoas vinham de longe, de todos os estados. Teve artista, deputado, até pessoas da Alemanha”, relata Salvelina.  

A fama repentina desencadeou um turbilhão de acontecimentos para os quais a família não estava preparada. E o deslumbre inicial com o sucesso e a fama se tornou um misto de pânico e desespero, tanto pela movimentação dos estranhos como pela agenda frenética de entrevistas e participações em programas de televisão. 

Hoje, três anos depois, ciente de como funciona o mundo do entretenimento e da internet, dona Salvelina não hesita em falar sobre o aprendizado que teve e também sobre os muitos casos em que houve abuso em cima da ingenuidade da família, que nunca tinha visto uma câmera de televisão de perto. “Muitos ganharam muito dinheiro com essa história, graças à nossa boa vontade.”

E HOJE? 

Como estão os personagens do maior meme da história recente da internet brasileira:

Leandro Beninca - O NARRADOR

Tem 12 anos. Vive na cidade de Rio do Campo (SC) e é um aficionado pela lida campeira. Adora rodeios, anda a cavalo e participa de provas de tiro de laço. Está na 7ª série do Ensino Fundamental. O pai é motorista de caminhão e a mãe é professora. 

Marcos Martinelli - O PILOTO

Tem 15 anos. Vive em Gaspar (SC) e estuda no 1º ano do Ensino Médio. Já tem namorada. O pai trabalha numa malharia, e a mãe é professora. 

Salvelina Lorenzetti Lenzi  - A DONA DO MORRO

Tem 64 anos, é aposentada e vive no sítio da família em Taió (SC). Na propriedade, o filho e a nora cultivam arroz e criam marrecos e gado. 

O carrinho – Continua guardado no galpão do sítio. Ganhou reforços na estrutura para suportar o peso de alguns visitantes. Ainda é usado nas brincadeiras da família eventualmente, sendo preservado para o próximo neto, que está a caminho.

O morro – Os cerca de 200 metros ainda mantêm a mesma estrutura de terra e pedras. É uma rua sem saída que dá acesso ao sítio onde vive dona Salvelina. Ganhou uma placa de sinalização às margens da SC-350, colocada pela Prefeitura de Taió. Para a felicidade da moradora, hoje recebe poucos visitantes.

Assédio minou a estrutura emocional dos dois garotos

O ápice da badalação em torno da família ocorreu quando o garoto Leandro fez a chamada para o Grande Prêmio Brasil de Fórmula-1, em 2014. Os valores apoteóticos da categoria mais cara do automobilismo mundial passaram longe do que foi pago ao autor dos jargões. “Disseram que ele chegou a receber R$ 600 mil. Sabe quanto deram pro Leandro? R$ 2 mil”, conta ela. “No início nós achamos que era bastante, já que é quase o salário que a mãe dele ganha trabalhando um mês como professora. Mas depois a gente ficou sabendo que o correto seria um valor muito maior,” revela Salvelina. 

A avó conta que, nessa época do auge do vídeo, a estrutura emocional dos garotos ficou totalmente abalada. “Eles não podiam sair na rua. A gente não aguentava mais. Naquela época, ele repetia centenas de vezes por dia as mesmas frases. Chegou a um ponto em que ninguém de nós sabia o que fazer. Não tinha como fugir daquilo. E também não dava pra ser mal-educada com as pessoas. Teve um dia que estávamos no aeroporto e juntou uma multidão. Só diziam pra repetir e falar de novo, de novo. Ficamos em pânico. Foi muito complicado”, desabafa. 

O medo da família passou a ser maior quando animais de estimação da propriedade foram envenenados e até abordagens pejorativas começaram a surgir à dona Salvelina, que é viúva. “Ali caiu a nossa ficha de que não eram só pessoas boas que estavam nos visitando. Tinha muita gente ruim. Teve vezes que eu me tranquei dentro de casa com o sofá atrás da porta, com medo de atender quem chegava. E sempre vinha gente, todos os dias. Nestas horas pedia para o meu filho ficar junto comigo”, relembra, emocionada.

Outra coisa que impressionou dona Salvelina e os netos foi o impacto das redes sociais. “As pessoas começavam a me pedir em amizade. Não queria ser mal-educada. Achava que realmente se importavam com a gente. Tive que criar mais um perfil e uma página no Facebook. Todo mundo que vinha aqui fazia foto para usar em alguma rede social. É tudo meio sem sentido quando a gente para pra pensar. Teve gente que se aproximou só porque estávamos famosos. Hoje eu sei quem são meus amigos de fato”, comenta.

Quando perguntada sobre uma escolha entre a fama de antes ou o ostracismo de agora, a resposta rápida de dona Salvelina é uma sentença derradeira: “Eu sou mais feliz agora. Bem mais feliz”, garante.

O que é um meme?

Ninguém sabe ao certo o que faz um meme surgir. Normalmente é uma foto, vídeo ou frase que tem vínculo com a realidade de muitas pessoas e passa a ser repetido muitas vezes na internet, sendo adaptado a diversas outras situações.

A decepção com o show business

Ao longo da conversa, dona Salvelina falou num tom mais emotivo ao relembrar as abordagens de algumas emissoras de televisão. Com naturalidade e até certa propriedade de quem conheceu os bastidores dos principais programas de auditório e entretenimento da televisão brasileira, ela se ressente de tratamentos dispensados à família. “Não em todos, mas em alguns casos nos trataram como um produto, não como pessoas”, constata. 

Dois casos foram emblemáticos. O primeiro deles num programa de entrevistas. “Uma emissora ficou sabendo que iríamos numa concorrente na terça-feira. Então exigiu que estivéssemos lá na segunda. Queriam ser os primeiros. Insistiram bastante. E daí aceitamos. Então, simplesmente emitiram as passagens para um domingo de manhã e nos disseram que o resto do trajeto era por nossa conta”, relata. “Tive que dirigir sozinha, abaixo de chuva, de madrugada, por mais de 200 quilômetros. Despesas de aeroporto, alimentação, tudo saiu do nosso bolso. E nós não tínhamos nos preparado para isso.” 

A emissora exigiu que o carrinho de lomba dos garotos também estivesse presente. “Ligaram na última hora. Fiquei horas esperando e a transportadora passou por volta de 1h30 da manhã para pegar o carrinho aqui. Tive que ficar eu, abaixo de chuva, com o tal do carrinho na beira do asfalto, já que aqui é escondido e eles não iriam achar. Eu sei que demos audiência e ganharam dinheiro com a gente. Em alguns programas, até bateu recorde.”

Humoristas mal-educados

O outro episódio traumático aconteceu no próprio sítio. A equipe de um programa de humor foi até lá e deixou a residência do avesso. “Vieram 19 pessoas para gravar. Daí começou a chover. Todos queriam andar no carrinho. E eles nem se preocuparam em tirar os sapatos para entrar em casa. Como ficaram a tarde toda, precisaram usar o banheiro, beber água, comer. Andaram por tudo. Daí, perto da noite, disseram que era longe de tudo, que ficaria difícil de sair para lanchar e voltar. Me prontifiquei e fiz um lanche para eles. Comeram e foram embora.

Deixaram minha casa um lixo, com barro por toda parte, e sequer perguntaram se eu precisava de ajuda ou prontificaram-se a ajudar com alguma despesa”, relata. “Não somos pobres, mas sempre pesa uma refeição para 20 pessoas, né? E eles têm muito mais condições que nós.” Apesar de tudo, o aprendizado foi o principal. “A gente sempre se preocupou em agradar para não falarem mal de nós e se mostrar feliz, sorridente, para que a produção ficasse bonita. Mas não era assim que a gente se sentia.”



Por: CÁSSIO FILTER - Portal GAZ –Gazeta On Line

 
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
 
Publicidade
Avenida Nereu Ramos, 226 - Centro - Taió - Santa Catarina - 89190-000 || Fone/Fax: 47 3562-0139 || E-mail:comercial@radio1047.fm.br
2016 Rádio 104,7 FM, Todos os Direitos Reservados.